Mesmo tendo pouco tempo de vida desde seu lançamento, Ghost Recon: Breakpoint já é considerado por Yves Guillemot, presidente da Ubisoft, como uma tremenda decepção financeira. Segundo o chefão do estúdio francês, as expectativas tanto para este lançamento quanto para The Division 2 eram realmente muito grandes - e em nenhum dos dois casos estas expectativas se concretizaram.

Porém, Guillemot reconhece que a culpa é da própria Ubisoft nestes dois tropeços comerciais, e garante que toda a equipe aprendeu duras e valiosas lições destas duas continuações.

Crédito do vídeo: canal Noize Team

A primeira destas lições foi a de dar mais tempo a um game multiplayer ainda com suporte antes de lhe dar uma continuação. Isso porque consideram que tanto o Ghost Recon: Wildlands quanto o primeiro The Division ainda contam com uma boa base de jogadores, e nem todos curtiram a ideia de “engavetarem” seus progressos para recomeçarem novamente em um novo game. A Ubisoft parece querer mostrar que não abandonará seus multiplayers assim tão cedo.

Outra ponto importante foi inerente a implementação de novas mecânicas e elementos: em Breakpoint, as novidades dividiram a comunidade, com uma boa parcela aprovando e outra igualmente considerável detestando as mudanças. Por fim, Guillemot considera que Breakpoint “ainda não tinha o suficiente” para verdadeiramente diferencia-lo de Wildlands, então muitos não viram motivos para abrirem a carteira para um novo Ghost Recon.

Pois é, se Breakpoint já surgiu por aqui em uma de nossas listas negativas, parece que lá na Ubi o game não está com uma cara muito melhor.