Claro que não queremos iniciar o ano já dando uma notícia destas, mas é muito importante que repliquemos estas informações para que a comunidade gamer cresça e brincadeiras idiotas como esta terminem.

O caso ocorreu na cidade de Wichita, Kansas. Após perder uma partida de Call of Duty: World War II, o jogador conhecido pelo nick “Baperizer” culpou o colega de equipe, “Miruhcle”, pelo fracasso. Ambos discutiram por causa disso, e Baperizer resolveu vingar-se do camarada.

Ele entrou então em contato com um terceiro jogador conhecido como “Swautistic” – mais tarde identificado pela polícia estadunidense como Tyler Barris, de 25 anos. Ambos tramaram um clássico e infame trote para a SWAT, com o intuito de fazer os agentes baterem na porta de Miruhcle atrás de algum suspeito criminoso.

A prática é conhecida como “Swatting”, e já gerou muita polêmica e prisões efetuadas pelas forças táticas da polícia dos EUA – geralmente ocorrendo durante alguma Live feita pela vítima do trote. Porém desta vez as coisas terminaram em tragédia, e justamente para um jovem que nada tinha a ver com a história.

Ocorre que Swautistic e Baperizer passaram à SWAT um endereço informado anteriormente pelo próprio Miruhcle, mas que na verdade não pertencia a ele. Quando os agentes bateram à porta da residência denunciada, quem os atendeu foi Andrew Finch, de 28 anos, que nada tinha a ver com nenhum dos três jogadores mencionados.

A tragédia ocorreu exatamente neste momento: um dos agentes baleou Finch no ato, talvez devido ao teor das denúncias feitas: Swautistic teria acusado o dono da residência de seqüestro e homicídio. Andrew Finch não resistiu aos ferimentos e faleceu.

Investigações posteriores levaram as autoridades a Tyler Barris (o Swautistic), que já tinha antecedentes por outro trote onde indicou uma falsa bomba em uma emissora de TV. Tanto ele quanto Miruhcle usaram suas contas no Twitter para lamentarem o ocorrido e eximirem-se da culpa, sendo logo em seguida suspensos da rede social.

A polícia norte-americana estima que, ao ano, ocorram 400 casos de falsos trotes contra jogadores e streamers como o que vitimou Andrew Finch. Embora no Brasil isto não ocorra de forma geral, muitos fãs brasileiros apoiam esta prática lamentável e divertem-se com estas. Vamos colocar a mão na consciência, pessoal...