Imagine estar jogando uma qualificatória oficial para um torneio mundial de FIFA 20, mas por não conseguir encontrar seu adversário programado em uma partida graças a um erro nos servidores do game, você e ele são obrigados a decidirem o vencedor na base do “Pedra, Papel, Tesoura”. Parece absurdo? Mas mesmo assim foi isso que rolou recentemente, em um “confronto” europeu oficial qualificatório para o FUT Champions Cup Stage V.

A situação lamentável ocorreu para o alemão Hasan "Hasoo" Eker e o maltês Shaun "Brandsha56" Galea. Após o pareamento falhar em fazê-los “se encontrarem” em uma partida, a dupla - que precisava apresentar um resultado - decidiu tirar a sorte no Jokempô pra saberem quem prosseguiria com a vantagem de uma vitória. Nesta disputa, Hasoo levou a melhor, o que fez com que Brandsha56 fosse ao seu Twitter reclamar (e com razão) da organização do torneio.

Crédito do vídeo: canal NewsBOT Gaming

Embora o resultado tenha sido validado pelos juízes, a própria EA depois soltou um comunicado afirmando que “ambos os jogadores se enfrentaram em partidas subsequentes após o incidente”, mas que a decisão de aprovar o “Pedra, Papel, Tesoura” não havia prejudicado nenhum deles, pois ambos foram eventualmente eliminados graças a resultados de outras partidas. Contudo, a EA prometeu que “está averiguando a situação para que ela não se repita mais”.

O problema é que esta não foi a única pataquada promovida pela EA em partidas oficiais de FIFA 20 - em outro episódio ocorrido nesta semana, um bug durante uma cobrança de pênalti causou mais uma enorme dor de cabeça a outro pro player, além de manchar um pouquinho mais a fama do game.

Desta vez, a vítima foi o jogador Giuseppe Guastella, que disputava uma qualificatória pela etapa norte-americana da FTU Champions FIFA. Ao final da partida, Guastella converteu uma cobrança de pênalti válida, mas um bug fez o game pensar que a bola não havia entrado. Até aí ainda havia forma de remediar, “o game errou, mas os juízes viram que o gol valeu”...

...Só que não.

A organização resolveu VALIDAR O BUG e invalidar o gol de Guastella, o que lhe rendeu uma derrota desastrosa que acabou por eliminá-lo. Óbvio que ele revoltou-se com a injustiça, e foi ao Twitter desabafar:

“Estou jogando uma decisão. O vencedor avança e o derrotado sai. Estou na minha última penalidade, é gol e não é registrado. Os responsáveis decidem que não é gol e por isso estou fora do torneio. Se esta fosse qualquer outra competição profissional de qualquer outro game nos eSports, isso jamais aconteceria.”

E aí, Electronic Arts? EA Sports? Como fica essa situação absurda na qual encontra-se seu principal torneio de FIFA 20 - um game que, por sí só, já gerou mais polêmica que muitos outros desta geração?