Em tempos em que os gamers brasileiros precisam lidar com propostas políticas absurdas, parece que lá do outro lado do planeta as coisas também não andam lá muito bem. Recentemente, foi a vez do príncipe Harry, Duque de Sussex, declarar o que acha sobre games considerados viciantes, como no caso de Fortnite. E ele simplesmente os detesta.

O monarca conversava com especialistas em saúde mental da London YMCA quando começou a disparar várias farpas contra redes sociais e vídeo games. Para ele, estes elementos da atual “era digital” são mais viciantes que drogas e álcool, e seu consumo/uso deveria ser controlado e acompanhado de perto pelos pais e responsáveis dos jovens jogadores.

Mas foi sobre Fortnite que Harry mais expressou seu descontentamento:

“O game não deveria ser permitido. Onde estão os benefícios de se ter isto em casa? Isto foi criado para viciar, um vício que o mantêm na frente do computador pelo maior tempo possível. É tão irresponsável. Os pais precisam ficar espertos – eles não sabem o que fazer sobre isto. (...) Fortnite, que tem milhões de fãs ao redor do mundo, trata-se de um game onde jogadores caçam por armas e matam uns aos outros.”

Para o príncipe Harry, é importante que os pais dos jogadores se esforcem para fazerem com que seus filhos também participem de atividades sociais, impedindo-os de ficarem só enfurnados dentro de casa no videogame.

E aí, qual sua opinião sobre isto? Da parte deste redator, acredito ser justo que os pais fiquem mesmo de olho em possíveis exageros dos filhos menores, mas a tal “proibição” é – e sempre será – algo arbitrário e errado.