Enquanto a Sony parece ter gostado dos horizontes trazidos por seu Playstation VR - acessório de realidade virtual para o PS4 que alcançou a marca de 4.2 milhões de unidades vendidas pelo mundo - a Microsoft não parece nada interessada na tecnologia. Segundo Phil Spencer, o próximo Xbox (até agora sob o codinome Project Scarlett) também não deverá ter um VR e, para ele, isso está longe de ser um problema ou de fazer falta.

"Tenho alguns problemas com a realidade virtual. É isoladora, e eu vejo os games como uma experiência em comunidade, de união. Estamos respondendo aos pedidos de nossos clientes e ninguém está pedindo por realidade virtual. A grande maioria (destes clientes) sabe que, se quiserem uma experiência em VR, existem locais onde você pode obtê-las. Vemos uma grande quantidade delas no PC e outras plataformas. (...) Em algum momento poderemos chegar lá, porém este não será nosso foco.”

Além destas questões apresentadas, o carismático Phil declarou também que não há muito mercado ainda para a realidade virtual: “Ninguém está vendendo milhões e milhões (de unidades VR)” disse ele. 

Ao mesmo tempo, além da Sony, a Valve e a Oculus defendem esta tecnologia como uma das principais tendências para o futuro próximo. Em um caso recente e notável, a Valve resolveu levar uma de suas mais icônicas franquias ao VR com o Half-Life: Alyx - game que será lançado a todas as plataformas de realidade virtual compatíveis com o PC.

No caso do Playstation VR, vale lembrar que seus usuários não passam de 4% da base total de jogadores no PS4. E você, acha uma boa as empresas investirem mais pesado em VR? Ou o acha dispensável e sem interesse?