Novamente, teremos aqui uma Lista Trocajogo trazendo um assunto delicado: as trágicas “mortes” de estúdios que muito fizeram pela história e indústria dos games. O motivo? As doces e venenosas promessas da Electronic Arts, gigante que sempre viu nestes estúdios bom potencial e muitos deles acabou comprando - só pra depois, seja por apressar demais projetos e/ou querer se intrometer exageradamente neles, não obteve destes estúdios os resultados que queria e acabou os fechando.

A lista de grandes produtoras com currículos inesquecíveis para muitos gamers que encontraram seu fim após assinarem o “contrato do diabo” com a EA não é pequena, e hoje vamos começar lembrando de 5 destes tristes casos. Venha conosco nesta viagem nostálgica e rememoremos as belas criações destes estúdios que, hoje, vivem apenas em nossas memórias…

BULLFROG PRODUCTIONS

Fundada em 1987 / Comprada pela EA em 1995 / Fechada pela EA em 2001

Estúdio do Reino Unido criado por Les Edgar and Peter Molyneux no final dos anos 1980, a Bullfrog tornou-se uma referência no campo dos games de estratégia ao criar clássicos como Populous, Syndicate, Theme Park, Theme Hospital e Dungeon Keeper. Populous, inclusive, deu a ideia da criação do gênero “game onde você é um deus” à Molyneux que ele levaria à Lionhead Studios no futuro. 

Foi em janeiro de 1995 que a EA decidiu comprar a Bullfrog e torná-la parte de seu conglomerado, mas isso jamais rendeu bons frutos. Sob a nova “tutela”, a equipe da Bullfrog iniciou dois projetos, Genesis: The Hand of God e o que seria o terceiro Dungeon Keeper da série, mas ambos foram cancelados. O último game lançado pelo estúdio foi Theme Park Inc, antes da Bullfrog ser fundida à EA do Reino Unido em 2001, efetivamente extinguindo a marca. 

WESTWOOD STUDIOS

Fundada em 1985 / Comprada pela EA em 1998 / Fechada pela EA em 2003

Mais uma lenda do gênero estratégia, a Westwood Studios foi fundada pela dupla Louis Castle e Brett W. Sperry no distante ano de 1985 em Las Vegas, Nevada. Já em 1992, a Westwood fundiu-se com a Virgin Games (mais tarde conhecida como Virgin Interactive Entertainment), e logo chegaria ao mercado um dos pioneiros do gênero Real Time Strategy (ou RTS) na forma das franquias Dune e Command & Conquer.

No caso de Command & Conquer, esta passou por grandes títulos depois de um início fenomenal, chegando ao ápice com o sucesso de Red Alert, Red Alert 2 e Tiberian Sun. Em 1998, a Electronic Arts viu na criação da Westwood um grande potencial, então a arrematou. Por alguns anos, sob o novo selo EA Westwood, a antiga equipe foi capaz de corresponder às expectativas sob o manto da EA... Mas o descontentamento causado por Command & Conquer: Renegade e o multiplayer Earth & Beyond - que foram retumbantes fracassos comerciais - acabaram por selar o destino de uma das mais importantes produtoras para os PCs dos anos 1990.

MAXIS SOFTWARE

Fundada em 1987 / Comprada pela EA em 1997 / Fechada pela EA em 2015

Em 1987, a dupla Will Wright e Jeff Braun fundava na Califórnia a Maxis Software - e quem foi jogador ativo do PC noventista conhece muito bem a franquia que tanto barulho fez naqueles anos dourados: SimCity. Aliás, a Maxis gostava mesmo era de criar games que servissem como ferramentas para a criatividade do jogador - além de criar cidades em no hit SimCity 2000, haviam muitos outros títulos como SimLife, SimEarth, SimTower, SimCopter… até um simulador de formigas chamado SimAnt!

Porém, somente SimCity de fato vendeu muito bem, o que colocou o estúdio em dificuldades financeiras. Em meados de 1997, a Electronic Arts comprava a Maxis e a colocava para trabalhar agora sob sua supervisão. De fôlego renovado, a produtora lançaria SimCity 3000 e o fenômeno The Sims, um dos mais populares simuladores de todos os tempos. 

As coisas foram muito bem até o fracasso do tão aguardado Spore (de 2008), um tropeço significante que abalou a confiança da EA na Maxis. Finalmente em 2015, após tanto o reboot de SimCity quanto The Sims 4 apresentarem problemas técnicos já em seus respectivos lançamentos, a titia EA cansou-se de vez e fechou as portas de mais este clássico estúdio.

PANDEMIC STUDIOS

Fundada em 1998 / Comprada pela EA em 2007 / Fechada pela EA em 2009

A dupla formada por Josh Resnick e Andrew Goldman fundava em 1998 a Pandemic Studios, graças a um capital de investimento da Activision (de onde ambos vieram originalmente). A produtora não tardou a transformar-se no berço de grandes sucessos dos games: Mercenaries: Playground of Destruction, Destroy All Humans!, Full Spectrum Warrior e Star Wars Battlefront (o original para PS2 e Xbox). Em 2005, Pandemic e BioWare deram as mãos em um acordo milionário, e ambas tornaram-se propriedade da titia Electronic Arts apenas dois anos depois.  

Mas a compra não tardou a complicar a vida da Pandemic: graças a conflitos de contrato com o uso da marca “Star Wars”, o projeto de Battlefront III que já estava em andamento foi imediatamente cancelado. E então veio uma verdadeira dor de cabeça na forma de um game baseado no filme Batman: The Dark Knight

Um prazo de produção ultra-apertado estipulado pela EA para o projeto gerou imensa pressão para a equipe da Pandemic, que via-se com as costas na parede para terminar o game até o lançamento do filme. Detalhe: os trabalhos começaram sem que ninguém no estúdio tivesse a mínima ideia de como seria o bendito filme! Claro que a história não poderia terminar bem, e a “mancada” da Pandemic não foi perdoada pela Electronic Arts, que já em 2009 liquidou a marca e mandou todos os seus funcionários para a rua.

DREAMWORK INTERACTIVE

Fundada em 1995 / Comprada pela EA em 2000 / Fechada pela EA em 2013

Fruto de um empreendimento conjunto entre a DreamWorks SKG e a Microsoft em 1995, a Dreamwork Interactive foi uma brilhante produtora para o mercado noventista. Steven Spielberg em pessoa comandava o estúdio, e pessoalmente supervisionou a criação de um dos mais formidáveis FPSs baseados na Segunda Guerra Mundial: Medal of Honor. Aproveitando-se da licença de sua própria criação cinematográfica, o estúdio de Spielberg também concebeu games da franquia Jurassic Park.

Farejando cifras, a Electronic Arts abriu a carteira em 2000 e tratou logo de colocar a Dreamwork Interactive em um lugarzinho muito especial em seu conglomerado: trabalhando junto a EA Pacific e a EA Westwood (outra das vítimas já citadas nesta lista). Com seus novos parceiros e um novo nome - EA Los Angeles (ou seja, o antigo nome já morria ali mesmo) -, o estúdio lançou games da franquia Lord of the Rings, um novo James Bond e ainda ajudou a Westwood em alguns bons Command & Conquer.

Em 2010, a Electronic Arts voltou a trocar o nome do estúdio - desta vez para Danger Close Games. Sua principal missão passou a ser transformar a saudosa franquia Medal of Honor em um competidor à altura para Call of Duty, da concorrente Activision. Desta pressão desmiolada e sem sentido algum além do lucro, nasceu o controverso Medal of Honor: Warfighter - um enorme fracasso de vendas e crítica. O trágico episódio culminou com a morte definitiva do pioneiro IP Medal of Honor, bem como a dissolução da Danger Close Games em 2013, com funcionários realocados em subdivisões da DICE que acabaram por trabalhar em Battlefield 4 e Battlefield 1.