Não é nada raro que a crítica especializada (como portais e canais de Youtube) tenha uma certa opinião sobre um game sobre o qual os jogadores acabem por formar outra bem diferente. Os motivos podem variar para que isto aconteça - talvez um influenciador digital tenha recebido algum “mimo” da produtora pra deixa-lo mais “inclinado” a elogiar seu game, ou talvez você simplesmente tenha um gosto diferente da maioria.

Na Lista Trocajogo a seguir, vamos citar 3 casos onde o que aconteceu foi a crítica aplaudir um game que o público em geral passou longe de aplaudir em pé. A métrica para a produção deste ranking foi o Metacritic, agregador de avaliações que é referência mundial no assunto. Ah, e já vamos mencionando que tanto Call of Duty: Modern Warfare e suas controvérsias históricas quanto a polêmica de FIFA 20 no Nintendo Switch ficaram automaticamente de fora deste Top 3, ok?

STREET FIGHTER V

Nota da Crítica: 77 / Nota dos Jogadores: 3.6

Antes de qualquer outra coisa, reconhecemos que não dá pra negar o valor de Street Fighter V, já que é um dos games de luta com um dos maiores e mais prestigiados cenários profissionais da atualidade, contando com vários campeonatos mundiais de enorme prestígio. Mas será que alguém aí se lembra de quando o game foi lançado lá em 2016?

O disco chegou às prateleiras sem nenhum foco no offline (nem mesmo com um modo Arcade SFV contava), o que levou a cambada a tentar encontrar umas tretas online contra outros jogadores mesmo. O problema maior é que até nisso o game pecava feio: com incontáveis problemas de servidores e seu net code defeituoso, era quase impossível achar partida e, quando isso finalmente acontecia, em 90% dos casos a conexão era perdida no meio da luta. 

A demora da Capcom em consertar esses problemas e dar a Street Fighter V mais conteúdo single player - isto junto a sua política “fominha” de vender lutadores como DLCs e abusar no valor dos trajes especiais - ajudou a quinta treta de rua a cair no desgosto do grande público.

DARK SOULS II

Nota da Crítica: 91 / Nota dos Jogadores: 7.2

Passamos para um que, talvez dentro de mais alguns anos, nem mais possa ser listado em um ranking como este. E na verdade muitos acharíamos isso injusto, uma vez que foi mesmo a versão Scholar of the First Sin que lavou a alma deste capítulo da saga Souls.

Quando foi lançado lá em 2014, a versão base de Dark Souls II prometia trazer de volta tudo que fora consagrado no primeiro com mais qualidade e em maior escala: gráficos aprimorados e um mapa gigantesco em comparação ao antecessor eram seus carros-chefes. Mas os citados gráficos (como já vimos em outra Lista Trocajogo) sofreram um grande downgrade em comparação ao teaser apresentado pela primeira vez na E3 de 2013, enquanto que o mapa maior deixou tudo mais confuso e menos interessante. Com mais espaços a serem povoados de inimigos, foi natural que estes caíssem de qualidade tanto em criatividade quanto em desafio, enquanto a a habilidade de se teleportar para qualquer fogueira já desvendada desde o início - que foi pensada como solução para dinamizar o gameplay -  acabou sendo amplamente desaprovada pela base de fãs de Dark Souls. Após isso tudo, quando unimos os citados elementos a uma trama considerada pelos jogadores como “inferior” e chefes (na maioria dos casos) desinteressantes e até genéricos, então somos capazes de entender o porquê de DSII não ter caído de imediato nas graças dos jogadores.

Mas suas DLCs vieram não muito depois para acrescentarem muito conteúdo de qualidade ao game, o que gerou posteriormente a já citada (e muito melhor) edição Scholar of the First Sin que, inclusive, puxou até a nota da versão base para cima (especula-se que muitos jogaram a SotFS e postaram reviews positivos no perfil “Vanilla” de Dark Souls II, já que suas avaliações começaram a melhorar justamente após o lançamento da edição completa).

POKÉMON SWORD & SHIELD

Nota da Crítica: 82 / Nota dos Jogadores: 4.0 e 3.5 respectivamente

A franquia Pokémon frequentemente pode ser descrita de uma só forma: ou você é fã desde Pokémon Blue & Red para o primeiro Game Boy e a acompanha apaixonadamente até hoje, ou nem liga para ela por simplesmente repetir praticamente a mesmo fórmula por anos e anos a fio. Claro que os dois mais recentes títulos desta franquia, o Sword e o Shield, não seriam exceção à regra… Mas o principal ponto aqui é que até mesmo fãs hardcore do Pikachu (ou ao menos parte deles) também mostrou grande descontentamento com estes.

Das principais reclamações contra a Espada e o Escudo, a mais “grave” sem dúvida é a impossibilidade de importar todos os Pokémons já lançados em versões anteriores. Isso porque nem todos os bichos foram incluídos nestes lançamentos, o que na visão da base de fãs é algo simplesmente inaceitável, dado que a plataforma deles é o Nintendo Switch. Além disso, jogadores criticam os gráficos (que descrevem como “animações e modelos 3D ultrapassados e reciclados por preguiça/desleixo”) baixo desafio, falta de conteúdo extra pós-campanha e algumas coisinhas mais.

Se a dupla Pokémon Sword & Shield já não tinha impressionado quando foi apresentada durante a E3 2019, a coisa realmente não parece ter melhorado muito pra ela após seu lançamento…