O grupo conhecido como Team Xecuter lançou recentemente um firmware próprio para o Nintendo Switch chamado “SX OS” que explora uma falha de engenharia do console, assim permitido que o aparelho leia códigos não autorizados pela Nintendo – leia-se homebrews e games copiados ilegalmente.

O problema para a Big N é maior do que se tem ideia: além de precisar implementar logo uma correção para impedir o firmware malicioso de continuar a funcionar, a empresa precisaria lançar um novo modelo físico do Switch para corrigir definitivamente esta “falha de engenharia”, assim impedindo que outros hackers criem mais acessos à pirataria.

E sabe quem mais está preocupado com pirataria? O próprio Team Xecuter. Não entendeu? Calma, a gente explica.

Switch operando com o firmware pirata

Ocorre que, ao que parece, o trabalho feito pelo Team Xecuter é considerado tão meticuloso que os caras ficaram com medo de outros grupos de hackers realizarem engenharia reversa e, assim, entendessem o que foi feito só para copiarem seu trabalho. Desta forma, a firmware dos caras vem com um dispositivo de segurança que, se acionado por quem estiver fuçando nos códigos para tentar entende-los, vai “brickar” o console, inutilizando-o permanentemente.

Um investigador de segurança de software norte-americano chamado Mike Heskin realizou alguns testes neste programa alterado, e descobriu que quem tentar utiliza-lo – ainda que só como usuário, jamais tentando mexer em configurações mais técnicas – ainda pode acionar o dispositivo de segurança colocado pelos hackers acidentalmente, significando perder assim seu Switch (a não ser que o pobre infeliz conheça alguém que saiba fazer reflash na memória NAND do aparelho de forma externa, assim permitindo a restauração).

Vale ressaltar que o firmware SX OS parece não funcionar com todos os games do Switch, além de continuar sendo extremamente fácil para a Nintendo encontrar IDs clonadas e bloqueá-las imediatamente caso o utilizador pirata tente logar o console à rede – ou seja, a pirataria continua relegada ao off-line.