E vamos iniciar 2020 retornando ao passado dos games, mais precisamente para o início dos anos 1990. Lembra-se da época que Mega Drive e Super Nintendo lutavam por cada centímetro do mercado? Pois nestes dias, em meados de 1994, o Mega da Sega quase ganhou um game que poderia ter feito os estúdios da época começarem a seguir por um caminho bem mais ambicioso que os platformers, shoot’em ups e outros tradicionais caso tivesse sido um sucesso… O nome desta pérola em formato de cartucho? Ora, Akira!

Pois é, a animação de 1988 de Katsuhiro Otomo por pouco não ganhou um game para o Mega Drive pelo estúdio Black Pearl Software: infelizmente o lançamento foi cancelado por motivos jamais especificados. Recentemente, uma versão teste foi descoberta e disponibilizada na internet por fãs - e ela pode ser baixada para que joguemos o que já estava pronto antes de puxarem a tomada do projeto. Obviamente o “game” apresenta muitos defeitos e falhas técnicas por estar inacabado, mas é chocante ver a ambição deste cartucho - confira no gameplay abaixo e surpreenda-se com a quantidade de estilos em uma única aventura: 

Crédito do vídeo: canal Hidden Palace

Quem já assistiu a animação original sabe que Akira trata-se de uma obra ultra-violenta, forte em todos os aspectos e com uma grande variedade de cenas de ação que poderiam perfeitamente serem convertidas em fases de um game. O “X” da questão aqui é que cada cena de fato tornou-se uma cena distinta, mas tudo em um único game: tem corrida de motos estilo Road Rash, ação side-scrolling, exploração em primeira pessoa e até um embrião de jogo de luta - isso só pra citar alguns.

Akira poderia, de fato, ter sido um grande pioneiro para sua época ao mostrar a indústria noventista um caminho muito mais ambicioso para um jogo de videogame que algo simples e direto. Qual você acha que teria sido a recepção do mercado para um game como este, porém finalizado e sem bugs?

Caso tenha se interessado, o protótipo jogável de Akira pode ser baixado neste link.