Call of Duty: Warzone foi lançado recentemente e já é um estrondoso sucesso: somente três dias após seu lançamento, o game da Activision já havia angariado 15 milhões de jogadores. Hoje em dia, estima-se um número muito maior que este - grande o suficiente pra deixar Apex Legends, PUBG e Fortnite, seus principais concorrentes entre os battle royales, roendo as unhas.

Mas claro, com muitos jogadores, vem uma necessidade ainda maior da produtora em manter as coisas funcionando bem e sob controle, inibindo e punindo quem explora falhas do jogo em benefício próprio. Porém, o que dizer quando esses jogadores fazem isso usando mecânicas legítimas inseridas lá pelos próprios desenvolvedores?

Como podemos ver acima, um aparentemente simples elemento está desbalanceado as coisas quando o assunto é o mano-a-mano no Gulag. Para quem não está familiarizado com as regras do battle royale de Call of Duty: Warzone, explicamos: quando algum jogador é abatido na batalha principal de 150 combatentes, eles não são eliminados logo de cara. Ao invés disso, são mandados a uma prisão russa - ou “Gulag” - onde enfrentam-se em um combate 1 contra 1 que envia o vencedor de volta à luta principal e o perdedor de volta ao menu inicial. A questão toda aí fica por conta dos demais jogadores também derrotados que ficam nas “arquibancadas”, de onde assistem ao combate na arena enquanto esperam por sua vez.

Aos espectadores, é permitido atirar pedras nos competidores só por diversão, já que elas causam 1 HP de dano-não letal (se o alvo tiver somente 1 HP, a pedra deixa de causar dano). Mas alguns espertões aprenderam que podem usar esses mesmos pedregulhos para ativar explosivos como minas e C4 instaladas na arena, assim matando os competidores!

Noutras vezes, a pedra - que supostamente é “não-letal” - acaba mesmo por matar um alvo atingido, como nos mostram os vídeos deste artigo. Se é um bug ou coisa parecida, ainda não está claro.

Portanto, pra você que joga Call of Duty: Warzone, fique esperto quando for sua vez no Gulag! E vamos esperar para ver se a Activision faz algo sobre isso logo.